Autor: Assessoria de Comunicação

Secretaria de meio ambiente apura denúncias sobre crime ambiental no açude de Cacimba da Várzea

      Na última semana, uma ação conjunta foi desenvolvida através da interação entre a Secretaria de Meio Ambiente, Ministério Público, Polícia Militar Ambiental e Colônia de Pescadores. O objetivo principal foi apurar denúncias feitas por populares. Informações que chegavam à Secretaria também por meios de comunicação local davam conta que pessoas (não autorizadas […]

02/03/2017 11h04 Atualizado há 6 meses atrás

 

 

 

Na última semana, uma ação conjunta foi desenvolvida através da interação entre a Secretaria de Meio Ambiente, Ministério Público, Polícia Militar Ambiental e Colônia de Pescadores. O objetivo principal foi apurar denúncias feitas por populares. Informações que chegavam à Secretaria também por meios de comunicação local davam conta que pessoas (não autorizadas pela Colônia, segundo o Presidente) estavam utilizando substâncias de combate a carrapatos, mosquitos e sarnas em animais de pequeno e médio porte, na água do açude. Vários frascos dessas substâncias foram encontrados perto das margens, em estratégicos locais de pesca.

Com a adição dos mosquicidas e carrapaticidas, a respiração dos peixes – como a tilápia – e camarões, é reduzida a níveis que impossibilitam a continuidade de vida aquática.  Camarões e peixes mortos por ‘sufocamento’ chegam à superfície com facilidade e os criminosos ambientais captam a maior quantidade possível num curto intervalo de tempo, com o intuito de obterem mais lucro. Esse é um processo vicioso que polui água, vida aquática e vegetação próxima à correnteza do açude; essas substâncias geram um efeito cumulativo no organismo, provocando problemas de saúde à medida que pessoas consomem a água contaminada e os alimentos provindos dessa.

A Secretária Ieda Pereira esteve no local junto com a P.M. Ambiental, comandada pelo Major Vamberto dos Santos Moreira. O Presidente da Colônia de Pescadores, conhecido como Pedro de Dão, confirmou a veracidade das denúncias e colocou-se à disposição das autoridades investigadoras para qualquer atividade que venha ajudar a coibir crimes ambientais e que prejudique a vida aquática em Cacimba da Várzea.

Procedimentos legais serão feitos, e a fiscalização será intensificada para combater os crimes contra o açude e a fauna aquática. Amostras de água e de animais que vivem no açude serão encaminhadas ao laboratório da UFPB para análise toxicológica.

 


Ao continuar navegando no nosso portal, você concorda com a nossa Política de Privacidade. Para ter mais informações, acesse nossa página de Política de Privacidade

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support